terça-feira, 28 de agosto de 2007

Há diferença? Gostar, apaixonar-se amar e adorar

Por: Jaime Nunes Mendes
Um parceiro Melodia
Sob o mero ponto de vista gramatical, tais verbos se assemelham apenas no fato de poderem ser igualmente conjugados em todos os tempos e modos. E, não obstante aparecerem em alguns dicionários como sinônimos, quando analisados sob a ótica do trato humano, há de se verificar uma enorme diferença entre eles.

Vejamos:

GOSTAR – gostar de uma pessoa significa ter por ela simpatia, afeição, carinho, amizade. É, digamos, o prelúdio do amor. Entre um homem e uma mulher, o simples ato de gostar só é normal no início do relacionamento. O gostar, portanto, deve ser sempre o começo, nunca o "meio" e o fim.

APAIXONAR-SE – apaixonar-se não é a mesma coisa que amar. A paixão relaciona-se diretamente com o Eros, que o tipo de "amor" carnal ou físico, o qual associa-se ao sexo, expressando-se no corpo, na derme, na carne, nunca na alma. Eros, na mitologia grega, era o deus da paixão e dos desejos. Na paixão, a pessoa apaixonada fica como que hipnotizada ante os defeitos do outro. Nela não se consegue enxergar o que de mais nítido o outro tem de ruim. Quando se apaixona, perde-se totalmente a noção do real.

Se o rapaz é preguiçoso, diz a apaixonada: "Quando casar ele muda!"; se a moça é rebelde, afirma o rapaz: "Quando casar ele será outra!". Não paixão não há limites. Quem já não leu nos jornais, casos de pessoas loucamente apaixonadas, que por não serem correspondidas, atiraram-se de prédios, pularam de pontes, tomaram venenos, drogaram-se, enlouqueceram-se? E pior de tudo é que fizeram isso em nome do que eles alucinadamente o chamavam de "amor". A paixão dura apenas um verão. Quando a rotina do casamento se escancara num dia chuvoso de inverno, o apaixonado percebe que tudo não passou de uma grande ilusão. As rugas que antes não se viam, as estrias e as varizes que a juventude ocultavam, tornam-se para o apaixonado num faraônico motivo para o divórcio. Quando uma moça está apaixonada, ela é capaz de esperar a vida toda por alguém que a maltrata, que a rejeita, que brinca com seus sentimentos etc. Contudo, a paixão não é apenas algo negativo. Quando alicerçada no verdadeiro amor, ela torna-se indispensável num relacionamento. Ama-se para depois se apaixonar. E Não o contrário.

AMAR – amar uma pessoa implica em aceitá-la integral e racionalmente. Quando dois corações se encontram e duas mentes se combinam, então se abre uma porta para o amor. Amar é estar dentro da pele do outro. O amor, ao contrário da paixão, não é fruto de uma emoção efêmera e carnal. No amor há um equilíbrio que torna o relacionamento inabalável. Quando é o amor que impera entre um casal, as marcas que o tempo deixa no decorrer dos anos, na pessoa amada, nunca serão motivos para se pensar no divórcio. Aceita-se a pessoa tal qual ela é. Este é o amor ágape: o máxima caritas (grande caridade). O tipo de amor descrito por Paulo em Coríntios 13:7: "Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta". O amor nasce da alma.

Ele brota de um coração sincero. Quando se ama realmente alguém, quer-se sempre o bem desta pessoa. No amor, o EU e o NÓS são sempre substituídos pelo TU e VÓS. Não há lugar para o egoísmo no amor. O amor, quando verdadeiro, vê além da aparência: contempla o coração. Quando se ama não se magoa o outro intencionalmente. O amor derruba o orgulho de alguém que se sente traído sem nunca ter sido. O amor não prolonga o sofrimento do outro com promessas que de antemão já se sabe que não vai cumprir. O amor é atemporal, isto é, não há um tempo limite para se amar: ama-se à medida que se deseja amar.

Ele não é resultado do acaso. Faz-se mister predispor-se para amar. Às vezes isto exige esforço, renúncia ou mesmo concessão. O princípio básico para amar alguém (falo do amor conjugal) é ter-se interesse por este alguém. Mas não se deve esperar que "Cupido" atire a primeira flecha. Atire-a você mesmo.

ADORAR – do latim adorare, significa render culto a, reverenciar, cultuar, amar extremosamente, idolatrar, venerar. Ao pé letra, portanto, adorar não deve ser usado com a simples acepção de gostar ou amar. Não parece correto, especialmente para o cristão, dizer-se, por exemplo: "Adoro a minha mulher". / "Adorei aquele hino". / "Adoro viajar de avião". Em frases deste tipo, o certo é dizer: Amo a minha mulher. / Gostei muito daquele hino. / Gosto muito de viajar de avião etc. O verdadeiro cristão adora somente a Deus, e a ninguém mais: "Ao Senhor teu Deus adorarás, é só a Ele servirás" (Mt. 4:10). / "Adorai ao Senhor na beleza da sua santidade: tremei diante dele todos os moradores da terra" (Sl. 96:9).

Um comentário:

A Flôr disse...

Post interessante!

Gostei muito mesmo! :)

Infelizmente muitas vezes usamos a palavra adorar sem nos lembrarmos que sò a ELE a devemos dar

Espero que tudo esteja bem contigo!

Fica bem
Fica com Deus
Flor